um blog há procura de si mesmo.

.posts recentes

. Parto cedo

. E a chuva cai lá fora...

. My soul has returned.... ...

. Há uma semana atrás foi a...

. 210 biscoitos

. Eu... intuitiva e metafor...

. Reflexões sobre ter-se si...

. Sempre que o Natal vier: ...

. Para vos fazer sorrir

. Sempre que o Natal vier: ...

.arquivos

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

Terça-feira, 25 de Novembro de 2008

Reflexões sobre ter-se sido adoptado

Há algo que sempre causa grande ansiedade quando se fala de adopção: a relação emocional da criança que FOI adoptada com aquilo a - muitas vezes fantasiada - familia biológica. Parece-me até que que é uma fonte de ansiedade generalizada a todos os que ponderam avançar para este processo, ou que já s embrenharam nesta aventura de ser pais. Portanto e porque considero importante diversificar a partilha das experiências e vivências do outro lado do espelho - da criança - hoje insurge-se-me palrar sobr este tema.


Começo por afirmar que nunca me pareceu exequível privar com aquilo que -à falta de melhores termos - se apelida de mãe biológica. Na verdade a minha relação emocional com a imagem que construi dela foi desde a revolta a uma postura de não julgamento perante a sua escolha de vida, que foi efectivamente não ficar comigo.

 

Há uns anitos via um filme com o grande Denzel Washington, o "Antoine Fisher" em que a personagem se debatia com a necessidade de confrontar a mãe biológica, procurando perceber o porquê das suas escolhas. Eu acredito que nenhuma resposta que ela me desse poderia apaziguar a minha incompreensão. A paz que sinto em relação à escolha dela e àquilo que ela personifica encontrei-a e encontro todos os dias em que aprendo a gostar demim.


Para mim as respostas estão dentro de nós. Acredito que muitos decidem procurar a familia biologica porque nessa busca esperam encontrar um pedaço de si mesmos, do amor próprio que nunca conseguiram construir. É como sempre assumissem aquele papel de criança abandonada, de criança enclausurada no seu mundo estéril de amor e de emoções. E por isso procuram fora aquilo que não conseguem encontrar dentro.


Não estou a tecer nenhuma crítica e sublinho que cada caso é um caso. Cada um segue o caminho que consegue para chegar a si mesmo, dispondo das ferramentas que possui.

 

Eu acredito que quando nos sentimos unos e aceitamos verdadeiramente o que somos essa busca deixa de ser necessária. Os laços consolidam-se nos afectos. Mas tudo é um processo. O que, no meu ponto de vista, vocês pais e candidatos a pais podem fazer é munirem os vossos filhos das ferramentas necessárias em vista a estes se tornarem em seres capazes de se amarem a si mesmos. Se estiveram realmente bem e felizes com o que têm, onde estão e com o que são o abraço para onde quererão correr será sempre para o vosso.

 

Deixo-vos este video do filme.

 

Um abraço para todos Susana

sinto-me:

publicado por wakeuplittlesusy às 23:38

link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De aespumadosdias a 26 de Novembro de 2008 às 11:22
Viva!
Certamente fez o que achou melhor para ti.


De wakeuplittlesusy a 30 de Novembro de 2008 às 01:08
Isso é discutivel. :) Mas certamente que acabou por ser o melhor para mim, sou uma pessoa diferente graças aos caminhos que percorri. Acima de tudo gosto daquilo que fui e do que sou.
Beijinhos Su


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds